Consequências de uma tensão arterial não controlada.

A hipertensão arterial, ou tensão arterial alta, é uma doença crónica que atinge cerca de 42% da população adulta portuguesa e constitui um dos principais fatores de risco cardiovascular.
O consumo excessivo de sal na dieta ocidental é o principal responsável pelo aparecimento da Hipertensão e, por outro lado, dificulta o seu controlo.

Quais as consequências de uma Tensão Arterial não controlada

A Tensão Arterial Alta pode afetar os vasos de vários órgãos, nomeadamente o cérebro, coração, olhos, circulação dos membros inferiores e rim. O Acidente Vascular Cerebral e o Enfarte Agudo do Miocárdio são as complicações mais frequentes. Quando atinge o rim, origina microalbuminuria e/ou aumento da creatinina no sangue. Chamamos a estes casos Doença Renal Crónica (DRC). A progressão da DRC pode levar à necessidade de hemodiálise. A HTA é a segunda causa mais frequente para início de diálise.

Qual o papel do rim na Hipertensão Arterial

O rim tem múltiplas funções, para além da filtração de substâncias e resíduos do nosso metabolismo. Regula a homeostasia do potássio, fósforo e de outros eletrólitos e minerais, controla a eliminação da água, produz eritropoietina, que é essencial para não haver anemia, participa na formação de vitamina D, entre muitas outras funções. Ao regular a eliminação de sal e de água, contribui para o controlo da pressão arterial. Este mecanismo depende da quantidade de sal que ingerimos diariamente. Assim, se ingerirmos uma quantidade excessiva de sal, o rim tem uma resposta máxima de eliminação e gera ou agrava a Hipertensão Arterial.

Como medir a quantidade de sal que se ingere diariamente.

O seu médico pode medir esta quantidade numa colheita de urina de 24 horas.

Como pode saber se tem atingimento renal provocado pela Hipertensão Arterial?

Um exame simples de urina, análises ao sangue, que incluem creatina e ureia, e uma ecografia renal, são suficientes para fazer o diagnóstico.

A Doença Renal Crónica pode ter como sintomas a Hipertensão Arterial.

Mais de 90% dos doentes com Doença Renal Crónica têm Hipertensão Arterial. Apesar de as doenças renais serem silenciosas, ou seja, serem detetadas apenas em análises, a hipertensão arterial, em muitos casos, é a primeira manifestação de problemas renais. Daí, ser obrigatório em todos os casos de tensão arterial elevada fazer os exames atrás enunciados: medir creatinina e ureia no sangue, ter um exame de urina e realizar ecografia renal.

A medicação e as medidas não-farmacológicas são diferentes quando tenho Doença Renal Crónica e Hipertensão Arterial?

Geralmente, a Hipertensão Arterial na doença renal é mais difícil de controlar, porque o principal regulador do sal no organismo, o rim, está afetado e este mecanismo falha. Por esse motivo, são necessários vários anti hipertensores e uma restrição de sal ainda maior no plano alimentar. Outros fatores de risco cardiovascular devem ser modificados e controlados, como a diabetes, o tabagismo, o excesso de peso/obesidade e a dislipidemia. Estes, quando associados à HTA, aumentam o risco de complicações noutros órgãos e agravam a Doença Renal Crónica.

Gostou do artigo?

Deixe-nos o seu email e receberá a nossa newsletter CSB360º
Uma compilação mensal dos artigos publicados no nosso site, para que não lhe escape nada.

Outras notícias CS Boavista